quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

AS AVENTURAS DE UM GARÇOM DE QUIOSQUE

Bom, após uma série de ameaças do meu pai, eu resolvi sair de casa e pedir emprego em cada um dos quiosques da praia, para arranjar um emprego - mesmo que fosse temporário, só pela temporada. Comecei pela barraquinha de côco verde gelado no emissário e fui andando, perguntando em cada quiosque, até que no canal 2 finalmente tive sorte e consegui emprego em um quiosque que abriu faz só 2 meses, e que estavam tentando montar uma equipe decente - sem muita sorte até o momento.

O pagamento não é bom - 15 reais a hora, em turnos de 12 horas. Isso dá 1.25 reais / hora, menos que a hora-aula de professores do Estado. A caixinha também não tem sido muito generosa. Mas com sorte, neste reveillón, vou ganhar uma graninha extra com comissão. ^^''

Porém, não é sobre isso que eu resolvi escrever. Como todo mundo, quando você começa em um emprego novo, você descobre um mundo novo. Quando comecei a trabalhar na frente de trabalho não foi diferente, e talvez eu faça um post reunindo as coisas absurdas que vi por lá. Mas no quiosque da praia...

1o. - Quiosqueiro não sente o dedão do pé - Eu sabia que ficar de pé, andar, etc. por muito tempo não fazia bem para você. Mas não sinto meu dedão já faz uns 3 ou 4 dias, e quando comentei isso com meus patrões, eles disseram que também não sentem os deles. Será uma constante? Farei uma pesquisa depois, com outros funcionários de quiosque, para descobrir.

2o. - Banheiro público, o ninho do crack - Nada mais relaxante que ir num banheiro público todo mijado e cagado e ainda por cima ter que respirar aquela marofa de crack e ouvir o cara do banheiro ao lado fazendo barulho de latinha amassando (cachimbo improvisado em lata de coca-cola).

3o. - O primeiro enquadro a gente nunca esquece - Eu ainda não levei nenhum, mas pelo que ando percebendo não vai demorar muito até acontecer. Volta e meia, rola alguma denúncia de tráfico de drogas, e a polícia dá enquadro em todo mundo na área - seja mendigo, funcionário de quiosque e até mesmo clientes, o que não é muito bom pros negócios. Fora que a polícia adora parar os carros na beirada do canal, perto do cavalete que divide a entrada da saída da rua anexa ao canal 2. Ou seja, cavalete + polícia = encrenca, na cabeça dos clientes. E o movimento vai pro espaço.

4o. - O traficante é seu amigo - Em 7 dias já conheci uns 3 traficantes. Passam, cumprimentam, eu ofereço uma cerveja, eles dizem que voltam depois. Basicamente, é isso.

5o. - Tem sempre alguém mais fodido - O garçom do quiosque ao lado é um tal de Jefferson, que aparentemente veio pra santos porque era traficante em são paulo e acabou sendo jurado de morte por lá. Um amigo meu que frequentava o quiosque do 'jeff' disse que uns tempos atrás ele sumiu e tava todo mundo no quiosque dele dizendo que ele tinha morrido, mas ele está lá hoje.

6o. - Pra fumar, beber e cheirar não tem idade mínima - o atendente do quiosque de trás é um tal de Cássio. 15 anos, fuma bebe, cheira pó e tem epilepsia. Vive tendo ataques epiléticos convenientes quando leva enquadro - o que acontece com frequência. Mora nos quiosques, e aparentemente não dorme.

7o. - Barata no quiosque dos outros é refresco - Nuff'said.

8o. - Metamorfose ambulante - minha saliva tem gosto de camarão, meu suor cheira a camarão e estou ficando com cor de camarão. Acho que estou lentamente virando um camarão.

9o. - Nosso quiosque é "do mal" - ontem, umas velhas caducas foram acender velas na árvore que fica bem em frente ao nosso quiosque. Eu discretamente avisei a patroa, que foi tentar convencê-las de que não era certo fazer uma MALDITA MACUMBA na frente do negócio dos outros. Elas disseram que não era macumba, era pra agradecer. O marido da patroa esperou elas irem embora e jogou um balde de água nas velas. As velhas imediatamente voltaram e começaram a causar um puta auê, dizendo que todos no quiosque eram "do mal" - incluindo uma mesa de fregueses. A parte divertida é que se elas soubessem REALMENTE o que estavam fazendo, saberiam que é o ato de acender a vela que conta, e não a vela ficar acesa. ¬¬

10o. - Plano de carreira - Trecho extraído de uma conversa com o Flávio, anteontem, no quiosque:
F: Cara, você tem que arranjar um emprego na sua área! Você tem 7 anos de faculdade, pós graduação...
I: E sou infinitamente melhor como garçom!
F: *se contorcendo de raiva* Porra!!! E daqui a quarenta anos, tu vai estar fazendo o quê? Servindo coca-cola num quiosque?
I: Não, claro que não. Até lá, acho que já vou ter comprado meu próprio quiosque. 8D~

Bom, acho que por enquanto é isso. Hoje às 9 da noite eu volto pra lá, pra aguentar mais clientes impacientes pedindo lanches e porções, e reclamando de alguma coisa, ou pedindo saleiros, ou indo embora antes do lanche sair... =_=''

8 comentários:

Feros disse...

Metamorfose + camarão = Tropikafka

Carlos Ribeirinho disse...

haaa grande setzer , nao sabia de ti faz anos , sabes quem sou

Tiamat disse...

Feliz Ano. Por curioso que o seu tenha começado....:)

Setz disse...

Carlos, não faço a menor idéia...? Ô_o

Carlos Ribeirinho disse...

ja nao recordas o velho gato morcego de portugal

Anônimo disse...

Adoray! Altas aventuras! Até amigos traficantes. A gente ganha pouco mas se diverte!!!

Setz disse...

OMG BATCAT? @_@

[A.D.B.] Mr. Hetfield, o "Festa" disse...

É, cara! Ninguém te falou que ia ser fácil, mas alguém deve ter lhe dito que ia ser divertido! XD